Meu Recanto de Versos e Prosas...

Um Lugar Calmo e Aprazível Onde Você se Diverte, Reencontra e/ou Revive Suas Mais Infinitas Emoções!

Textos

VIVENDO E APRENDENDO:
CAPÍTULO VIII - MOMENTO ASSAZ ESPERADO

 
O primeiro dia de aula de uma criança é um momento  ímpar e que jamais será apagado de sua memória. Em princípio, os pais “corujas”, representados pela grande maioria, sempre irão imaginar que seus filhos não se acostumarão facilmente com o dia a dia de uma sala de aula, mas essa apreensão natural eivada de uma grande expectativa paterna tem mudado muito com o perpassar dos anos.
Precipitadamente, a maioria desses pais, procura colher informações minuciosas acerca da ambientação de seus filhos, já nos primeiros dias de aula, inquirindo-os, exaustivamente, quando do seu retorno para casa, tentando, dessa maneira, obter informes específicos atinentes às dinâmicas pedagógicas que  foram e/ou serão vivenciadas em salas de aula que nem as próprias crianças tomaram conhecimento desses detalhes nos primeiros dias de convívio que tiveram com sua nova escola.
Billy Lupércio Daniel lembra-se perfeitamente que ficou muito ansioso e apreensivo para que chegasse o seu primeiro dia de aula. Para complicar um pouco sua tensão, justamente nesse seu primeiro dia, no trajeto da estrada que o levaria para a escola, após uma breve ventania, sua cartilha escolar escapou de suas mãos e o forro de papel que a protegia de eventuais sujeiras durante o uso, se descolou e voou para longe de seu alcance.
Ele diz que sentiu uma grande vontade de chorar quando da ocorrência daquele incidente. Pediu socorro para a sua irmã mais velha que naquele momento também ia consigo para a mesma escola, mas ela pouco ligou para o ocorrido; sequer quis tentar apanhar o forro que tinha se descolado, muito menos ajudar-lhe a recolocá-lo na sua cartilha.
Billy ficou desesperado com o corrido, achando que ao chegar à sua escola, com sua cartilha sem o forro, mesmo que ele contasse que foi um acidente, sua professora não o entenderia e, certamente, brigaria com ele.
Transcorrido aquele imprevisto inicial, ele conseguiu recolocar o forro de papel no seu pequeno livro e seguiu, mais nervoso que estava antes, com destino à sua escola que distava pouco menos de trezentos metros do local onde tudo ocorreu.
Dalí para frente ele respirou fundo e continuou dominado pela emoção e pela vontade de mostrar o melhor de si em sala de aula e foi justamente o que fez.
Por conseguinte, quando ele pisou, pela primeira vez, com seu pé direito ou com o esquerdo à frente, naquela sala de aula de sua primeira escola, os seus olhos brilharam de forma reluzente e seu coração bateu muito acelerado como se ele estivesse passando por um momento de arritmia, tamanha era a sua felicidade momentânea.
Tudo o que ele via e ouvia lhe parecia novo e muito desafiador, sobretudo o fato inédito de já começar cursando o livro denominado Cartilha do Povo, uma espécie de segunda e última fase do ensino infantil preliminar, exatamente aquela etapa didática antes de começar a cursar o primeiro ano do ensino primário.
Passados aqueles instantes de êxtase iniciais, ele foi apresentado para os demais colegas e ali começaria, de uma vez por todas, sua trajetória estudantil. Preliminarmente, aquele seu sonho deveras esperado estava se realizando.  
Germano Correia da Silva
Enviado por Germano Correia da Silva em 23/07/2020
Copyright © 2020. Todos os direitos reservados.
Você não pode copiar, exibir, distribuir, executar, criar obras derivadas nem fazer uso comercial desta obra sem a devida permissão do autor.


Comentários

Site do Escritor criado por Recanto das Letras